Notas dos Filmes
Meu AdoroCinema
    Visita ou Memórias e Confissões
    Críticas AdoroCinema
    3,0
    Legal
    Visita ou Memórias e Confissões

    Filme-testamento

    por Francisco Russo
    Visita ou Memórias e Confissões é um filme bem particular e, como tal, é necessário saber um pouco de seu contexto para apreciá-lo. Rodado em 1981, seu diretor Manoel de Oliveira ordenou que ficasse arquivado na Cinemateca de Portugal para que fosse exibido apenas após seu falecimento. Na época, Manoel tinha 73 anos; faleceu 33 anos depois, aos 106. Sua primeira exibição foi no Festival de Cannes de 2015, dentro da mostra Cannes Classics.

    Visita ou Memórias e Confissões - FotoDiante de tal característica, é óbvio que o longa-metragem atrai uma reverência ao diretor e o tanto que representou para o cinema. Entretanto, paradoxalmente, Visita... em momento algum é um filme de auto-exaltação. Pelo contrário, nele é possível conferir um Manoel de Oliveira bastante sincero, onde fala abertamente que estava vendendo a casa para pagar dívidas - "nunca fui um homem de indústria", ele assume - e sua própria esposa alerta que "não se pode esperar o artista do homem", revelando uma consciente (e necessária) separação entre público e íntimo.

    Com apenas 68 minutos de duração, o longa oferece um passeio pela casa onde Manoel viveu por mais de 40 anos, com intervenções do próprio. Nelas, o diretor assume o papel de apresentador de sua própria vida, trazendo detalhes sobre os pais, filhos, o casamento com Maria Isabel e, é claro, sua carreira cinematográfica. Manoel fala ainda do modo como vê as mulheres - "é o símbolo das virtudes, mas também da tentação e do pecado" - e admite a sedução pelo tema da virgindade, explorado em sua quadrilogia dos amores frustrados (O Passado e o Presente, Benilde ou a Virgem-Mãe, Amor de Perdição e Francisca).

    Agradável de ser visto, Visita ou Memórias e Confissões funciona mais como uma curiosidade sobre o diretor, válida a todos que apreciam seus filmes. Por mais que haja também uma história paralela, ficcional, envolvendo um casal que visita a tal casa, o que realmente importa é observar Manoel falando de si mesmo, em um filme que ele próprio assume ser um inusitado testamento cinematográfico.

    Filme visto no 68º Festival de Cannes, em maio de 2015.
    Quer ver mais críticas?
    • As últimas críticas do AdoroCinema

    Comentários

    Mostrar comentários
    Back to Top