Notas dos Filmes
Meu AdoroCinema
    O Beijo da Mulher-Aranha
    Média
    3,7
    31 notas e 7 críticas
    distribuição de 7 críticas por nota
    4 críticas
    2 críticas
    0 crítica
    1 crítica
    0 crítica
    0 crítica
    Você assistiu O Beijo da Mulher-Aranha ?

    7 críticas do leitor

    Ricardo L.
    Ricardo L.

    Segui-los 8707 seguidores Ler as 1 586 críticas deles

    4,0
    Enviada em 21 de fevereiro de 2016
    Um filme que me surpreendeu pelo seu ótimo roteiro, sendo indicado a melhor filme de 1986, mas agraciado pelo óscar de melhor ator para o ótimo ator Willian Hurt, uma pena foi um maravilhoso Raul Julia não ter sido indicado a cuadjuvante, para mim um adesfeita para uma atuação apladida em todo o mundo, vale-se destacar os atores asileiros no filme e pricipalmente a nossa musa dos anos 80 Sonia Braga em uma boa atuação, mesmo com poucas falas e sem saber a lingua inglesa!
    Elvira A.
    Elvira A.

    Segui-los 138 seguidores Ler as 266 críticas deles

    4,0
    Enviada em 4 de outubro de 2013
    O diretor Hector Babenco foi o responsável por esta adaptação da obra de Manuel Puig. Contou com belas atuações de William Hurt, Raul Julia e Sonia Braga.
    Lucas Alcântara
    Lucas Alcântara

    Segui-los 5 seguidores Ler as 49 críticas deles

    5,0
    Enviada em 21 de julho de 2016
    Dirigido pelo já falecido Hector Babenco, O Beijo da Mulher Aranha prova que parceria brasileira e estadunidense funciona bem e forma uma química perfeita. Ambientado numa prisão da América do Sul, o longa conta a história de dois prisioneiros: Valentin Arregui (Raul Julia), um político; e Luis Molina (William Hurt) — um homossexual, que, afim de tentar escapar da realidade do presídio, começa a narrar histórias mirabolantes de filmes. Essa relação contraposta faz com que ambos se aproximem e aprendam a conviver com respeito um pelo outro dentro da cela. Partindo direto dos aspectos positivos do filme, Babenco usa uma boa linguagem cinematográfica através das câmeras. Uma das cenas que pode se usar de exemplo é durante um dos muitos diálogos que rola entre Valentin e Molina. Deitado no chão, Molina começa a contar o que para "ela" seria um homem perfeito. A câmera pega a personagem do alto, exaltando e dando ênfase à sua posição feminina. E quando a câmera passa para a personagem de Julia, temos a perspectiva do ponto de vista de Molina: a câmera pega a personagem de alto para cima, exaltando toda sua grandeza, sua imagem máscula, trazendo para o orgânico as palavras de Molina. Todo esse elemento que se repete ao longo do filme se deve também, claro, ao diretor de fotografia, Rodrigo Sánchez. O filme também trabalha bastante a vero semelhança através dos diálogos bem trabalhados que assim, consequentemente, se tornam bastante reais, dando um aspecto e atmosfera mais críveis à trama. Como aspectos técnicos, o filme novamente acerta. A direção de Babenco é excelente, narrando o filme na medida certa, amarrando bem as pontas, e sabendo esconder o que precisa esconder, para mostrar na hora certa sem precisar enrolar para prender a atenção do espectador. As atuações agraciam ainda mais a produção. Ponto alto para Hurt — que levou para casa o Oscar de melhor ator —, que deu sensibilidade máxima à Molina, interpretando um homossexual crível e fugindo do estereotipado, fazendo um dos personagens mais convincentes do cinema. Julia também realiza ótimo trabalho com Valentin, que não levou Oscar, mas merecia. A amizade construída a partir dos dois acerta tal excelência que não se vê nas telonas hoje em dia, uma relação cinematográfica que é trabalhada da melhor forma possível em cima de dois personagens completamente opostos. Devida atenção aos filmes narrados por Molina, que são pano de fundo, porém, Babenco consegue aproveitá-los muito bem. Os filmes narrados por Molina andam paralelamente quanto a trama principal, de uma forma bem poética e metafórica, chegando a se encontrar com o filme da forma mais íntima possível e se separar dele da maneira mais gritante. Sonia Braga, musa brasileira na época, mesmo fazendo um papel pequeno e com pouca importância consegue chamar atenção — ainda mais pelo fato que Braga não dominava a língua inglesa, mas mesmo assim não vacilou no resultado final diante dos diálogos. Motivações também são bem trabalhadas. O espectador consegue entender do por que dos personagens fazerem o que fazem; principalmente Molina, que no desfecho joga tudo por alto, traduzindo claramente o que vinha buscando no início do filme: algo que poderia chamar dela, e é por isso que a personagem cai cabeça adentro na confusão política de Valentin. A amizade de ambos é algo que Molina conquistara com garra para si, que apesar de tudo fora verdadeira. Para a época que fora lançado — 1985 —, o longa usa bem a época política, mesclando com o personagem de Valentin. Demonstrando todo talento de Babenco, O Beijo da Mulher Aranha é competente em termos técnicos; consegue ser sensível e brutal nas entrelinhas. Uma boa mistura do talento brasileiro e do americano. E um dos melhores trabalhos do diretor — se não o melhor. Nota: 10/10
    Debora Christie
    Debora Christie

    Segui-los 1 seguidor Ler as 52 críticas deles

    2,5
    Enviada em 9 de fevereiro de 2012
    Não tive portunidade de assistir. Quem sabe com a amosra em Cannes eu veja. Cannes = incentivo
    Mauro C.
    Mauro C.

    Segui-los 1 seguidor Ler as 20 críticas deles

    5,0
    Enviada em 18 de junho de 2017
    Excelente Drama, tão intenso e contundente quanto o Livro de Manuel Puig, Uma história contada em um Momento delicado da política onde Pessoas eram Perseguidas por sua Luta e seus ideais. Foi construída uma amizade e uma confiança entre 2 homens de culturas e Pensamentos muito diferentes.( William Hurt ) da Show de Interpretação vivendo o sensível Molina, ( Raul Julia ) não fica atrás vivendo o preso politico Valentin Arregui uma história que emociona e Prende a atenção a Cada cena.
    Dulci B
    Dulci B

    Segui-los 1 seguidor Ler as 32 críticas deles

    5,0
    Enviada em 28 de agosto de 2019
    Um dos filmes mais lindos que eu já asssisti!!! Um filme delicado para pessoas sensíveis!! Vale muito a pena!
    Soraya R.
    Soraya R.

    Segui-los Ler a crítica deles

    5,0
    Enviada em 24 de março de 2015
    Excelente história,tenho 37 anos e nunca havia assistido. Uma história contada em um momento delicado da política onde pessoas eram perseguidas por sua luta e seus ideais. Foi construída uma amizade e uma confiança entre dois homens de culturas e pensamentos diferentes. Muito sensível,uma história que me prendeu o tempo todo.
    Quer ver mais críticas?
    • As últimas críticas do AdoroCinema
    Back to Top